O quarto do bebê

O espaço do bebê

Desde o início, o bebê deve ter um espaço só para ele, gêmeos também. Cada um no seu espaço! Os pais devem ter o seu quarto, sua cama e sua privacidade preservada e os filhos devem ter um quarto ou dois, dependendo das possibilidades financeiras de cada um, mas cada bebê na sua cama para que desde já também tenham o seu espaço. Aos poucos, assim será construída uma relação de respeito, autonomia, liberdade e intimidade. Armários e cômodas podem ser compartilhadas, mas que cada um tenha o seu berço, os seus pertences, as suas roupas e os seus brinquedos respeitando a individualidade de cada um.

Nunca esqueça que no caso de gêmeos, idênticos ou não, o nascimento ocorreu em momentos diferentes, são indivíduos diferentes e precisam ser respeitados como crianças independentes. É um grande erro criar gêmeos como se fossem um só, ou seja, compartilharem a mesma cama, usarem as mesmas roupas, frequentarem a mesma escola e sala de aula, etc., isso dificultará o desenvolvimento psíquico de cada um.

O quarto dos pais

Os pais chegaram primeiro, portanto são maiores que os filhos e devem ser respeitados. Dentro de uma casa os pais são autoridade e devem estar ocupando o lugar de um pai e de uma mãe. Neste sentido, o quarto dos pais deve ser preservado.

O quarto dos pais jamais deve ser local de brincadeira dos filhos. O quarto de um casal, assim como a cama do casal é o local de intimidade desses pais e não deve ser invadido pelos filhos para brincadeiras e afins, cada um deve ter o seu espaço. Esta é uma importante lição!

Geralmente é a mãe que leva os filhos para o quarto do casal. Neste momento, o pai deve fazer o corte e impedir esta situação antes que as coisas se agravem e aí será mais difícil fazer com que cada um fique no seu lugar. O pai que estabelece limites aos filhos está formando e preparando um cidadão de bem. Desde a infância os bebês devem sofrer frustrações para que se tornem indivíduos fortes. Quando crescerem saberão lidar com as frustrações e os nãos da vida.

Ética e Valores, um legado importante

É muito comum no início o bebê chorar, pois ele não quer se separar da mãe. Então, a mãe fragilizada pelo cansaço, cede e realiza todos os desejos do seu bebê. Aqui vai um alerta para todos os pais e mães. A educação dos filhos não é uma tarefa fácil, mas é possível. Requer amor, paciência e muita dedicação. Os pais deverão estar unidos nesta causa para que cada um faça a sua parte. Se as atividades forem divididas, ambos conseguirão atingir o objetivo com sucesso.

Quando um bebê chora no berço é muito importante que a mãe não o deixe chorar por muito tempo. É importante ir até o bebê para entender o que está acontecendo. Primeiro oferecer o peito, pois se for fome, após alimentado, ele irá se acalmar. Às vezes ele está sujo e após a troca da fralda, ficará bem. Outras vezes, ele apenas deseja se certificar que a mãe está por perto. Um colo, uma conversa o deixará mais seguro. A porta do quarto do bebê deve ficar aberta e o bebê deve perceber que não está só, que você está por perto. Isso transmitirá segurança. Porém, é importante saber dosar as idas e vindas quando ele chama, pois, as frustrações nesta fase são parte importante para o seu desenvolvimento e amadurecimento. O mais importante é você explicar sempre para o seu filho o que está acontecendo. Desta forma você estará construindo uma relação de confiança e transparência com o seu bebê e isso é fundamental. Jamais minta ou engane o seu filho. Ele sente e percebe o que está acontecendo. Mas preste atenção aos seus movimentos, pois existem diversas formas de se falar as coisas para uma criança. A educação começa desde bebê, através das boas atitudes e exemplos você e seu companheiro estarão transmitindo valores de família para o seu filho e é isso que ele repetirá na vida adulta.

O papel da mãe é através do seu amor incondicional acolher, dar contorno, olhar para o seu filho, estabelecer o vínculo, alimentar, aconchegar, cuidar, ensinar e preparar para a vida. Já o papel do pai é apresentar o filho para a sociedade, trabalhar, proteger, prover a família, estabelecer os limites e as regras como autoridade, oferecer segurança e também preparar o filho para que tenha condições de fazer escolhas éticas e que valorizem a vida que é o bem maior que um filho pode receber dos pais. Portanto, cada um tem o seu papel nesta jornada de educar um filho, e se cada um fizer a sua parte tudo funcionará melhor e em harmonia. Nunca uma mãe deve desautorizar um pai perante o filho e vice-versa. Os valores surgem a partir do limite dado pelo pai. Limite é crescimento e não estagnação, permite que a criança se desenvolva com ética. Portanto, o respeito entre ambos deve ser mantido para que haja harmonia na família.

Jamais perca a oportunidade de interagir com o seu filho, ele é parte de você, é a extensão e continuidade da sua família.

Procure sempre manter coerência entre o que você fala para ele e suas atitudes, pois ele irá repetir o que você faz e não o que você fala.

Agende um horário para obter maiores esclarecimentos sobre a terapia individual para bebês!

Cristina De Santis
Psicanalista e Psicoembrióloga
Celular: 11 94114-0101